Melhores práticas em otimização cloud

Melhores práticas em otimização cloud

Confira a entrevista com a expert Vania Santos, formada em Sistemas da Informação com MBA pela FGV, que atua com soluções projetos Cloud há mais de 10 anos. Já trabalhou em empresas como UOL, CenturyLink e Claro, e empreende como Fundadora e CEO da empresa Tech Seller KXP, especialista em infraestrutura ágil.

Conceitos Gerais: O que define os diferenciais das plataformas de infraestrutura de nuvem no mercado hoje?

É muito provável que você, leitor, já tenha uma ideia básica do que é a computação em nuvem. Afinal, em 2023, essa é uma realidade inegável e fundamental para qualquer empresa que busca a digitalização e otimização dos seus processos. No entanto, com o propósito de estabelecer uma base sólida para nossa discussão, precisamos nos aprofundar um pouco mais, analisando as diferenças e particularidades das plataformas de nuvem disponíveis no mercado hoje.

Para começar, existem três tipos de configurações de nuvem: pública, privada e híbrida. 

Nuvem pública

Na nuvem pública, as empresas têm a oportunidade de acessar recursos de computação de alta qualidade sem a necessidade de manter uma infraestrutura própria, que pode ser bastante cara. Essas nuvens são mantidas por terceiros, o que significa que os usuários estão efetivamente alugando um espaço em servidores que são compartilhados com outros.

Nuvem privada

A nuvem privada é a opção para as empresas que preferem manter um controle mais rígido sobre seus dados. Nesse cenário, o legado corporativo, que é uma combinação de dados, softwares e hardware, permanece com a empresa. 

Nuvem híbrida

Já a nuvem híbrida é uma mistura dos dois tipos anteriores, permitindo que as empresas mantenham parte da infraestrutura em suas próprias instalações (ou em um data center privado), enquanto movem outras partes para a nuvem pública.

 

Quais são os principais indicadores de mercado para contratar e otimizar o consumo de cloud?

Quando falamos sobre os provedores de nuvem, temos grandes players no mercado, como Microsoft Azure, Google Cloud Platform (GCP) e Amazon Web Services (AWS), cada um com suas próprias peculiaridades.

Mas como você escolhe entre eles? Como você otimiza o uso e consumo de recursos de nuvem? Os indicadores para escolher e otimizar a nuvem são muitos e dependem das necessidades específicas de cada empresa. Indicadores convencionais incluem segurança e estabilidade, mas também é importante considerar fatores menos convencionais.

Um desses fatores é a incerteza. Em um ambiente de negócios incerto e competitivo, a flexibilidade e agilidade oferecidas pela nuvem podem ser um grande diferencial. A melhor nuvem para o seu caso dependerá muito do seu cenário de uso e dos seus objetivos.

Por exemplo, para clientes que já possuem um ecossistema Microsoft, o Azure pode ser uma excelente opção, especialmente se eles usam tecnologias como o SQL Server. Com o Azure, eles podem economizar consideravelmente em integração e licenciamento. O GCP, por outro lado, tem uma excelente reputação quando se trata de análise de dados e aprendizado de máquina, sendo uma ótima escolha para quem busca impulsionar suas capacidades de IA. Já o AWS, como líder de mercado, oferece uma ampla gama de serviços e pode atender a uma variedade de necessidades.

No entanto, a escolha da plataforma de nuvem não deve ser baseada apenas em características técnicas. Fatores macro, como a estratégia da empresa e o cenário econômico (por exemplo, as flutuações da taxa de câmbio), também devem ser levados em consideração.

Além os impactos em custo, que é o elemento que mais impacta as empresas hoje e é amplamente discutido na escolha da infraestrutura ideal.

Em resumo, escolher uma plataforma de infraestrutura de nuvem envolve considerar uma série de variáveis, desde a tecnologia em uso, as necessidades de negócio, a estratégia da empresa, até o cenário econômico. Mas uma coisa é certa: na era digital, a nuvem é mais do que apenas uma opção. É uma necessidade.

 

Gestão Avançada na Nuvem: Observabilidade, Automação e Segurança

Depois de entender os aspectos básicos sobre cloud, é importante expandir nossos horizontes e considerar práticas de gestão de nuvem mais maduras, que envolvem temas como observabilidade, DevOps e gestão de arquitetura. Mas como esses elementos se relacionam com a gestão da cloud e agregam valor ao processo? Vamos entender melhor cada um deles.

Em toda implementação de nuvem, consideramos três componentes essenciais – que Vania e seu time internamente chamam de “enxoval”. Esses componentes são segurança, observabilidade e automação.

Segurança: 

Este é a base e o que dá velocidade ao projeto. Garantir a segurança desde o início evita longas discussões sobre riscos e conformidade com regulamentos como a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Quanto menos tempo gastamos discutindo estes tópicos, mais rapidamente o projeto progride. Quando um projeto nasce com segurança robusta como alicerces, temos mais chances de alcançar 100% de sucesso, evitando problemas futuros.

Observabilidade: 

Este termo se refere ao entendimento das métricas importantes para o negócio. Muitas pessoas confundem observabilidade com monitoramento, mas o monitoramento é apenas uma parte da observabilidade. Quando olhamos para a observabilidade, precisamos considerar o negócio do cliente e medir as métricas importantes para ele. Por exemplo, uma dessas métricas pode ser a velocidade de carregamento de uma página depois de um clique. Essas são as coisas que vão impactar o usuário final, que é sempre o cliente da aplicação.

Automação: 

Este é um componente crucial da gestão da cloud. Sem automação, é difícil, senão impossível, realizar um inventário eficaz quando suas aplicações já estão em operação. A automação é vital para otimizar 100% das operações.

Esses três elementos formam o ‘enxoval’ que precisa ser considerado ao planejar e implementar um projeto de nuvem. Como você pode ver, a gestão eficaz da nuvem não se trata apenas de entender custos ou de dimensionar corretamente suas necessidades. Ela também requer uma compreensão aprofundada dos componentes-chave que sustentam sua infraestrutura em nuvem e as práticas que garantem que sua implementação seja segura, observável e automatizada.

 

Kubernetes e a Maturidade da Gestão da Infraestrutura

Ao se aprofundar nas práticas avançadas de gestão da infraestrutura em nuvem, não podemos deixar de mencionar o Kubernetes, uma poderosa ferramenta que está diretamente relacionada com a maturidade dessa gestão. No entanto, como explicar de maneira simples e eficiente o que é Kubernetes e qual é o seu papel na infraestrutura em nuvem? Vamos lá.

Kubernetes, ou K8s como também é conhecido, é uma ferramenta de código aberto que auxilia os desenvolvedores a gerenciar aplicações que estão sendo executadas em contêineres. Para entender melhor, imagine um porto, onde você tem diferentes cargas (as aplicações) isoladas dentro de contêineres. Este isolamento não apenas protege as aplicações, mas também permite que elas sejam facilmente portáveis. Isto significa que, uma vez que sua aplicação está em um contêiner, ela pode ser movida para qualquer nuvem sem problemas, oferecendo uma grande flexibilidade.

Essa flexibilidade é particularmente valiosa em um ambiente de negócios onde a incerteza é uma constante. Se a empresa decide migrar de uma nuvem para outra, por exemplo, as aplicações que estão contêinerizadas podem ser facilmente transferidas de uma nuvem para outra.

O conceito de Kubernetes traz diversos benefícios nesse contexto, incluindo a possibilidade de atualizar o sistema sem que ele fique offline e maximizar a eficiência do hardware. Além disso, cada nuvem tem sua própria implementação de Kubernetes – a Azure tem o AKS, a Amazon tem o EKS, e o Google tem o GKE.

Agora, você pode estar se perguntando: todas as empresas podem usar contêineres? Qual é a quantidade ideal de aplicações para justificar a adoção de contêineres e Kubernetes? Vania comenta que, em sua empresa, acreditam que a partir de 15 aplicações ou micro serviços, já é viável considerar a adoção de uma abordagem baseada em contêineres. Isso facilita a gestão e, financeiramente falando, se torna mais vantajoso.

Vale lembrar que não todas as empresas já nascem com suas aplicações contêinerizadas. A adoção de contêineres e Kubernetes é uma evolução natural à medida que o ambiente do cliente amadurece. À medida que os clientes começam com poucas aplicações e esses micro serviços crescem, a discussão sobre a adoção de contêineres e Kubernetes naturalmente surge.

Assim, a maturidade na gestão da infraestrutura em nuvem envolve a automação máxima possível, de forma a facilitar a portabilidade e a gestão de aplicações. Quando incertezas surgem, como a necessidade de mudar de nuvem, a existência de aplicações contêinerizadas facilita muito o processo de migração. Pode-se dizer que é como no porto: alguém pega o contêiner e o coloca em outro navio, ou neste caso, em outra nuvem.

 

Desafios de empresas de pequeno e de grande porte para gestão cloud

A lição a ser extraída daqui é que a implementação e gestão da nuvem exigem uma nova mentalidade, novas habilidades e uma abordagem diferente da tradicional. Isso é especialmente crítico para empresas maiores, onde a escala da infraestrutura pode aumentar a complexidade e os custos de qualquer problema.

Além disso, independentemente do tamanho da empresa, é imprescindível cultivar uma cultura de aprendizado contínuo. As tecnologias de nuvem estão sempre evoluindo e se aperfeiçoando, o que implica que as equipes de TI necessitam se manter atualizadas. A colaboração e a comunicação entre equipes também são vitais para garantir que todos estejam alinhados com os objetivos e estratégias da empresa.

A segurança é outro aspecto crítico que precisa ser considerado. Manter uma medida de segurança robusta é um grande desafio, especialmente para empresas menores. No entanto, independentemente do tamanho da empresa, a segurança deve sempre ser priorizada.

Para empresas maiores, a coordenação de várias equipes pode ser um desafio adicional. Sem um patrocínio executivo forte e coordenação adequada, a implementação de mudanças efetivas pode se tornar um obstáculo.

Portanto, para mitigar esses desafios, é recomendável que as empresas se concentrem na criação de uma sólida base de infraestrutura de nuvem e garantam que as equipes estejam atualizadas e coordenadas. Além disso, uma mentalidade de segurança deve ser incorporada em todas as etapas da migração e gestão da nuvem.

Assim, para pequenas e grandes empresas, o nível de maturidade na gestão da nuvem pode ser avaliado pela forma como conseguem lidar com esses desafios e implementar soluções eficazes. Trata-se de um processo contínuo de aprendizado e aprimoramento, facilitado por um forte entendimento e implementação de práticas de gestão de nuvem.

 

Diferenciais da KXP como Tech Seller de Otimização Cloud

A KXP se diferencia no mercado pelo seu caráter inovador, tendo como premissa trabalhar com uma abordagem completamente nova. A estratégia é fazer mais e melhor para seus clientes, implementando políticasde excelência desde o primeiro dia, tanto na infraestrutura como em código, automações, práticas de observabilidade e DevOps.

O rigoroso processo de trabalho envolve desafiar diariamente o time técnico. Os ambientes que a KXP gerencia são complexos, incluindo clientes do segmento bancário e do governo. A experiência em grandes projetos e a busca contínua pelas melhores práticas do mercado são aspectos diferenciais do serviço que KXP oferece, inclusive para clientes menores, que frequentemente buscam consultoria e ajuda.

Todos os clientes são atendidos da mesma maneira, não importando o tamanho. A KXP acredita muito na equipe de operações e, como resultado, a maioria dos contratos é ampliada pela equipe de operação devido à excelência de ponta e ao conhecimento técnico. 

Quanto ao Tech Buyer ideal para a KXP, não existe uma definição de tamanho de cliente, embora se encontre mais valor em empresas que possuem mais de 10 serviços em nuvem. A KXP busca sempre mostrar valor aos clientes, explorando novas tecnologias e inovando.

Uma nova ferramenta de desenvolvimento da KXP está prestes a ser lançada, e promete destacar ainda mais a empresa no mercado. A empresa está sempre à disposição para compartilhar suas novidades e conhecimento, buscando sempre o sucesso e a satisfação de seus clientes.

 

Você acredita ser o Tech Buyer que dá o match perfeito com as soluções da KXP?

Conheça mais sobre a empresa no Spotlight Match<IT>.

Ou mapeie outros potenciais Tech Sellers que dão match com a sua demanda de forma gratuita em nossa plataforma.

 



× Como posso te ajudar?