Tecnologia globalizada: caminhos para a internacionalização

Tecnologia globalizada: caminhos para a internacionalização

Confira a entrevista com o especialista Ulisses Souza, profissional com mais de 20 anos de experiência em áreas de planejamento, projetos e gestão comercial, com MBA pelo Ibmec, atuando na conexão internacional de negócios com Portugal hoje como CCO e CMO da empresa Tech Seller Hypesoft.

Oportunidades de negócios em diferentes culturas e geografias

Para Ulisses, o conceito de ajustarmos o modelo de negócio para cada região parte do princípio de que o ecossistema local necessita de um prévio estudo do ambiente de negócios.

Sem o conhecimento de como funciona a cultura mercadológica x comportamento sócio-cultural de cada Estado Brasileiro, cada País e consequentemente o povo ali residente, não há prosperidade.

A barreira natural de pré-conceitos advindos do que é o desconhecido, independente do método empregado e o share, não garantem a estabilidade e a conquista do espaço.

 

Conexões comerciais entre Brasil e Portugal

Há uma crença de que, por serem países de uso da mesma língua, ocorrem facilidades no ambiente de negócios e no relacionamento cultural. Na experiência prática de Ulisses, são culturas díspares e com visões de negócios bem distintas.

Enquanto no Brasil, por hábito, desenvolvemos relações mais próximas no mundo corporativo com benchmarking em algumas das situações, os Portugueses se apresentam mais conservadores em não divulgar as suas estratégias.

Entretanto, há sinergia no que se refere a vanguarda do Brasil na área de tecnologia. Com a digitalização crescente no Brasil e agora em processo de implementação em Portugal, as oportunidades vem se materializando e fomentando laços de parceria.

Ulisses comenta que tem observado como o produto de Software House tem apelo em terras portuguesas, que serve como porta de entrada para a Europa com a Espanha em sua fronteira.

Além disso, a mão de obra brasileira em projetos de Outsourcing, e com expertise em linguagens de programação e desenvolvimento, possibilitam essa cooperação.

As conexões e parcerias com o mercado português facilitam o caminho de internacionalização estratégica. Na experiência de Ulisses, têm contado com os parceiros da Atlantic Hub que, desde 2016, tem domínio sobre o ecossistema local nos possibilitando maior assertividade na abordagem para a conexão. Segundo Ulisses: “O filtro realizado, por empresas que necessitam dos serviços da Hypesoft, passa por essa estratégia a quatro mãos, o que maximiza o raio de cobertura para o agendamento e posterior apresentação do core business de tecnologia.”

De maneira geral, há um ambiente favorável para parcerias nas relações internacionais, sobretudo no “match” entre Brasil e Portugal. São várias as iniciativas de Aceleradoras, entre outros ecossistemas com variadas soluções e investimento a serem estudados. Além disto, a valorização do euro em relação a moeda local facilita o investimento das empresas portuguesas no Brasil.

Um diferencial interessante é que os portugueses são bons mentores uma vez que as Universidades Públicas, e de grande renome na Europa, formam ótimos pesquisadores e profissionais prontos para o que temos, em grande parte, de dificuldade – a formação educacional e especializada.

Facilitadores e desafios para a exportação

Sem dúvida, como primeira análise para os europeus, a mão de obra mais barata em relação ao câmbio é um grande facilitador para exportação de serviços das empresas brasileiras

Outro destaque são as skills e o conhecimento ampliado do mercado de tecnologia. No Brasil, com a crescente demanda com o surgimento de fintechs, healhtechs, agrotechs entre outros, arregimentou-se uma gama de profissionais com excelente capacitação técnica, e com a experiência nestes modelos de estrutura de negócios.

Por outro lado, é importante ter cuidado com o regionalismo nas relações. Não há como acreditar que ao chegar em solo diferente à sua origem, haverá facilidades.

Historicamente, e de forma cultural, o entrave é uma barreira natural e de proteção ao produto e/ou serviço daquele destino.

Estudar com planejamento, viver o ambiente e entender a política local e também os hábitos são o primeiro passo para a tomada de decisão.

Muitas empresas não se preparam para um business plan, e se vêem na condição de “abandonar” a sua intenção. O que mais atenua é o desperdício de tempo e dinheiro e como consequência, deixa a alcunha do despreparo.

Ulisses finaliza apresentando os diferenciais da empresa Hypesoft, que está na busca de vivenciar o ambiente de negócios associado à cautela no investimento de tempo e esforço. Ele vê que as soluções da empresa são o match ideal a todos aqueles que desejam contar com uma empresa que conecta o seu projeto às melhores soluções tecnológicas.

 

Tech Sellers for Export

Na plataforma Match<IT> os Tech Sellers podem disponibilizar informações sobre seu perfil de negócios para exportação, incluindo histórico de experiência atuando com clientes de diferentes países e países alvos para o futuro, valores comerciais praticados em Euros e Dólares Americanos, e capacidade da equipe para interlocução com clientes em idioma espanhol e inglês.

Essa novidade, de junho de 2023, amplia as oportunidades de mercado aos Tech Sellers e facilita a Tech Buyers internacionais, ou mesmo multinacionais sediadas no Brasil, a gerarem os melhores matches para suas demandas de evolução digital.

Mapeio potenciais Tech Sellers que dão match com a sua demanda de forma gratuita em nossa plataforma.

 

Confira a entrevista completa:

 

 



× Como posso te ajudar?